Central do cliente
Esqueci minha senha
Home Contato
Home » Notícias
BNDES vai priorizar infraestrutura na concessão de crédito
Postado em: 23/10/2013

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai priorizar os setores de infraestrutura, as empresas intensivas em capital e os projetos que tragam inovação tecnológica na concessão do crédito mais barato e com maiores prazos. A informação foi dada pelo presidente da instituição, Luciano Coutinho, em entrevista ao jornal Valor Econômico. Setores tradicionalmente tomadores de empréstimos, como o comércio exterior e o de serviços, ficarão de fora e terão de pagar mais pelos financiamentos - ainda que taxas menores do que o mercado cobra. 

Coutinho ressaltou, contudo, que a compra de máquinas e equipamentos continuará com o benefício para não prejudicar os investimentos de empresas e afetar a economia. O objetivo da mudança é tornar a economia menos dependente dos recursos subsidiados, demandando menos aportes do Tesouro no BNDES. Desde 2008, o BNDES recebeu 300,25 bilhões de reais do Tesouro, além dos 20 bilhões que foram anunciados na terça-feira. 

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, já havia declarado que o banco receberia menos recursos em 2014, de modo a garantir a solidez do sistema financeiro nacional.

Leia mais: Mantega diz que BNDES receberá menos recursos em 2014  
Captação de US$ 2,5 bi do BNDES cumpre meta deste ano

A estratégia, segundo o presidente, já vem sendo trabalhada há algum tempo e a ideia é estimular as captações no mercado de capitais. Uma das ideias estudadas pela instituição é baratear o custo de emissão de debêntures (forma de captação de recursos via emissão de dívida) em operações casadas com a tomada de empréstimo do BNDES. Além disso, também se estuda uma forma de trazer mais segurança a esse mercado, com garantias do próprio banco de fomento. 

Crise X - Ao comentar sobre o declínio de empresas do grupo EBX, de Eike Batista, grande tomador de crédito da instituição, Coutinho afirmou que o banco estatal "não perdeu um centavo". "Os novos investidores capitalização e levarão os projetos adiante, permitindo a migração dos créditos dos empreendimentos", disse, lembrando que parte da MMX foi comprada pelo fundo Mubadala, a MPX pela alemã E.ON e a LLX pelo fundo americano EIG. Ele garante que não há crédito do banco na OGX, empresa de petróleo e pivô da crise das empresas X. "Todo o nosso crédito foi equacionado", reafirmou.

Dos 6 bilhões de reais emprestados - a maior parte para a MPX -, apenas 500 milhões ainda precisarão ser pagos pela OSX, estaleiro do grupo, segundo Coutinho. Ainda assim, este montante estaria assegurado por fiança bancária. 

Fonte: Veja - Por Venderlei Almeida/APF
Parceiros
SEJA UM PARCEIRO!
SEJA UM PARCEIRO!
SEJA UM PARCEIRO!
SEJA UM PARCEIRO!
COGNITOS
SEJA UM PARCEIRO!
EPIRA
SEJA UM PARCEIRO!
ANUNCIE AQUI
COGNITOS
ANUNCIE AQUI
ANUNCIE AQUI
EPIRA
ANUNCIE AQUI
ANUNCIE AQUI
 
Home Sobre o site Contato Anuncie
Valid XHTML 1.0 Transitional
Atenção: O Guia Metalúrgico não se responsabiliza pelos anúncios constantes de seu site, que são de responsabilidade exclusiva de cada anunciante
Copyright © 2012 - Guia Metalúrgico, Todos os direitos reservados. Desenvolvido pela   |