Central do cliente
Esqueci minha senha
Home Contato
Home » Notícias
Após dois meses, MPL volta a liderar atos e pede que população não pague tarifa na sexta-feira
Postado em: 23/10/2013

Principal liderança durante as grandes manifestações dos meses de junho e julho deste ano, o MPL (Movimento Passe Livre) promove nesta semana uma série de atos em pelo menos 12 cidades do Brasil. O primeiro deles aconteceu nesta segunda-feira (21) em São Paulo, cidade que ainda tem outros três protestos marcados até sexta-feira (25). Em comum, eles têm a reafirmação de convicções sobre o transporte público e o convite à participação popular.

Uma das medidas sugeridas por lideranças do MPL ouvidas pelo R7 é que a população não pague a tarifa na próxima sexta-feira, quando acontece em São Paulo, às 17h, uma manifestação com concentração prevista para os arredores do Teatro Municipal, no centro da cidade. Será o desfecho de uma semana dedicada ao passe livre para todos os cidadãos. Segundo o MPL, a gestão do transporte público não está sendo colocada a serviço da população.

Líder do MPL defende Black Blocs e diz que ações do grupo para a Copa "vão espantar muita gente"

Leia mais notícias de São Paulo

Os ativistas sugerem que as pessoas pulem as catracas dos ônibus e estações de metrô, entrem pela porta de trás dos coletivos, ou contem com a ajuda de motoristas e cobradores para serem transportados gratuitamente. É o que os coletivos chamam de “ação direta”, o que é definido pelo grupo Advogados Ativistas como “um meio de promover uma solução imediata a uma causa”.

Uma das principais líderes do movimento, que pediu para não ser identificada, lembrou que o MPL é um "movimento horizontal” e não quer esperar que algum grupo tome uma atitude.

— Enquanto a tarifa zero não se tornar uma realidade, nós não vamos ficar parados em um ponto de ônibus esperando a boa vontade dos políticos. É uma campanha para que as próprias pessoas não paguem a tarifa, elas não precisam esperar que o movimento faça isso, elas mesmas podem fazer isso, o que seria o máximo.

A mobilização acontece, além de São Paulo, no Rio de Janeiro, Florianópolis, Brasília, Vitória, Goiânia, Salvador, São Luis, Natal, Joinville, São Caetano e São José dos Campos. A líder do movimento ouvida pelo R7 justificou a semana de luta afirmando que o problema do transporte não mudou muito desde os protestos de junho e julho.

— Isso faz parte do nosso entendimento de que não é possível só consultar os empresários e se preocupar com o lucro deles sem consultar a opinião das pessoas. É um problema muito grande. Então, além da tarifa zero, é fundamental o controle popular do transporte, pelas pessoas que usam o transporte e que querem se locomover pela cidade, e não pelos empresários que andam de carro e helicóptero.

Grandes protestos voltarão em 2014, diz fundador do Mídia Ninja

A possibilidade de o movimento gerar repressão por parte da polícia não assusta a líder do MPL.

— A repressão vem sempre, mas é isso. Não vamos baixar a cabeça por causa de meia dúzia de balas de borracha, não. Eles podem fazer isso, mas a luta para construir um mundo no qual acredita é uma ideia muito mais forte do que qualquer bomba. A repressão é lamentável, é a prova mais óbvia de que o Estado é opressor e está [aí] para reprimir qualquer tentativa de tirar a concentração dessas mesmas pessoas. Se a gente fosse temer a repressão, nem saía de casa e não fazia nada.

Fonte: Thiago de Araújo, do R7
Parceiros
SEJA UM PARCEIRO!
SEJA UM PARCEIRO!
SEJA UM PARCEIRO!
SEJA UM PARCEIRO!
SEJA UM PARCEIRO!
SEJA UM PARCEIRO!
COGNITOS
EPIRA
ANUNCIE AQUI
ANUNCIE AQUI
COM DOMINIO DA SAUDE LTDA - ME
COGNITOS
EverNET - Sites e Sistemas Online
ANUNCIE AQUI
ANUNCIE AQUI
 
Home Sobre o site Contato Anuncie
Valid XHTML 1.0 Transitional
Atenção: O Guia Metalúrgico não se responsabiliza pelos anúncios constantes de seu site, que são de responsabilidade exclusiva de cada anunciante
Copyright © 2012 - Guia Metalúrgico, Todos os direitos reservados. Desenvolvido pela   |