Central do cliente
Esqueci minha senha
Home Contato
Home » Notícias
O que assusta o investidor estrangeiro que vem ao Brasil?
Postado em: 28/03/2013
São Paulo – Ao lado de Índia e África do Sul, o Brasil está entre os BRICS mais seguros para se fazer negócios. Os três países receberam nota dois na pesquisa da gestora de risco Aon em parceria com a Roubini Global Economics, enquanto Rússia e China receberam nota três, indicando um risco político maior.

Alguns pontos, porém, ainda são preocupantes para investidores internacionais, segundo a pesquisa. Entre os tópicos estudados em cada país, o quesito “fazer negócios” recebeu classificação de alto risco na pesquisa.

Nesse tópico, entram inclusive questões legais e tributárias do país, como explica Keith Martin, consultor da Aon. “Quando falamos de risco Brasil, estamos falando de estados e municípios. Às vezes, não há alinhamento nas regras e os investidores precisam de consistência”, explica.

O difícil entendimento dos tributos brasileiros também foi apontado como um dos grandes fatores que afastam investidores internacionais pela advogada Silvia Fazio, sócia do escritório Chadbourne & Parke LLP, que organizou um livro que funciona quase como um manual de instruções para os investidores internacionais que querem trazer dinheiro para o Brasil.

“O sistema tributário é muito diferente de país para país, então é preciso explicar como se explicaria para um leigo”, afirma a advogada. A complexidade e quantidade de detalhes, segundo Silvia, fez com que esse fosse um dos maiores capítulos do livro Brazilian Commercial Law: A Practical Guide, que teve a participação de 20 autores para explicar diversas leis para as empresas que se instalam no Brasil.

Outros riscos

Logo após o risco de fazer negócios, na classificação do mapa da AON, o critério “interferência política” também recebeu nota preocupante: médio-alto risco.

Martin destacou, por exemplo, o controle que o governo tem sobre ferramentas que influenciam diretamente na flutuação do câmbio. O Brasil, porém, ainda leva vantagem em comparação com alguns vizinhos. “Outros países na região são mais intervencionistas e há uma diferença nítida para o Brasil. Os investidores também levam isso em conta”, diz o consultor da AON.

Avanços

Apesar de alguns pontos assustarem o investidor estrangeiro, já existem ações que mostram uma condução de políticas que ajudam a afastar esses riscos. O mapa da AON lembra, por exemplo, da necessidade de investimentos em infraestrutura e reformas, que estão atrasados, mas ao menos já iniciaram.

“Se comparar o mapa de dez anos atrás, o Brasil já conseguiu muito avanço, especialmente na parte fiscal e cambial. Apesar de alguns problemas, aqui não há restrições grandes para empresas ou perigo de calote”, afirma Martin.

Comparado com os BRICS, o Brasil ainda precisa investir mais em infraestrutura e educação, como China vem fazendo, e melhorar o apoio ao investidor, a exemplo da Índia e China, afirma o consultor da AON.
Fonte: exame.abril.com.br/economia/noticias/o-que-assusta-o-investidor-estrangeiro-que-vem-ao-brasil
Parceiros
COGNITOS
SEJA UM PARCEIRO!
SEJA UM PARCEIRO!
SEJA UM PARCEIRO!
EPIRA
SEJA UM PARCEIRO!
SEJA UM PARCEIRO!
SEJA UM PARCEIRO!
COM DOMINIO DA SAUDE LTDA - ME
COGNITOS
EPIRA
ANUNCIE AQUI
ANUNCIE AQUI
ANUNCIE AQUI
ANUNCIE AQUI
 
Home Sobre o site Contato Anuncie
Valid XHTML 1.0 Transitional
Atenção: O Guia Metalúrgico não se responsabiliza pelos anúncios constantes de seu site, que são de responsabilidade exclusiva de cada anunciante
Copyright © 2012 - Guia Metalúrgico, Todos os direitos reservados. Desenvolvido pela   |