Central do cliente
Esqueci minha senha
Home Contato
Home » Notícias
O que assusta o investidor estrangeiro que vem ao Brasil?
Postado em: 28/03/2013
São Paulo – Ao lado de Índia e África do Sul, o Brasil está entre os BRICS mais seguros para se fazer negócios. Os três países receberam nota dois na pesquisa da gestora de risco Aon em parceria com a Roubini Global Economics, enquanto Rússia e China receberam nota três, indicando um risco político maior.

Alguns pontos, porém, ainda são preocupantes para investidores internacionais, segundo a pesquisa. Entre os tópicos estudados em cada país, o quesito “fazer negócios” recebeu classificação de alto risco na pesquisa.

Nesse tópico, entram inclusive questões legais e tributárias do país, como explica Keith Martin, consultor da Aon. “Quando falamos de risco Brasil, estamos falando de estados e municípios. Às vezes, não há alinhamento nas regras e os investidores precisam de consistência”, explica.

O difícil entendimento dos tributos brasileiros também foi apontado como um dos grandes fatores que afastam investidores internacionais pela advogada Silvia Fazio, sócia do escritório Chadbourne & Parke LLP, que organizou um livro que funciona quase como um manual de instruções para os investidores internacionais que querem trazer dinheiro para o Brasil.

“O sistema tributário é muito diferente de país para país, então é preciso explicar como se explicaria para um leigo”, afirma a advogada. A complexidade e quantidade de detalhes, segundo Silvia, fez com que esse fosse um dos maiores capítulos do livro Brazilian Commercial Law: A Practical Guide, que teve a participação de 20 autores para explicar diversas leis para as empresas que se instalam no Brasil.

Outros riscos

Logo após o risco de fazer negócios, na classificação do mapa da AON, o critério “interferência política” também recebeu nota preocupante: médio-alto risco.

Martin destacou, por exemplo, o controle que o governo tem sobre ferramentas que influenciam diretamente na flutuação do câmbio. O Brasil, porém, ainda leva vantagem em comparação com alguns vizinhos. “Outros países na região são mais intervencionistas e há uma diferença nítida para o Brasil. Os investidores também levam isso em conta”, diz o consultor da AON.

Avanços

Apesar de alguns pontos assustarem o investidor estrangeiro, já existem ações que mostram uma condução de políticas que ajudam a afastar esses riscos. O mapa da AON lembra, por exemplo, da necessidade de investimentos em infraestrutura e reformas, que estão atrasados, mas ao menos já iniciaram.

“Se comparar o mapa de dez anos atrás, o Brasil já conseguiu muito avanço, especialmente na parte fiscal e cambial. Apesar de alguns problemas, aqui não há restrições grandes para empresas ou perigo de calote”, afirma Martin.

Comparado com os BRICS, o Brasil ainda precisa investir mais em infraestrutura e educação, como China vem fazendo, e melhorar o apoio ao investidor, a exemplo da Índia e China, afirma o consultor da AON.
Fonte: exame.abril.com.br/economia/noticias/o-que-assusta-o-investidor-estrangeiro-que-vem-ao-brasil
GUIA 6 ANOS
Parceiros
SEJA UM PARCEIRO!
COGNITOS
EPIRA
SEJA UM PARCEIRO!
SEJA UM PARCEIRO!
SEJA UM PARCEIRO!
SEJA UM PARCEIRO!
SEJA UM PARCEIRO!
EPIRA
ANUNCIE AQUI
ANUNCIE AQUI
ANUNCIE AQUI
COM DOMINIO DA SAUDE LTDA - ME
EverNET - Sites e Sistemas Online
ANUNCIE AQUI
 
Home Sobre o site Contato Anuncie
Valid XHTML 1.0 Transitional
Atenção: O Guia Metalúrgico não se responsabiliza pelos anúncios constantes de seu site, que são de responsabilidade exclusiva de cada anunciante
Copyright © 2012 - Guia Metalúrgico, Todos os direitos reservados. Desenvolvido pela   |