Central do cliente
Esqueci minha senha
Home Contato
Home » Notícias
Impacto do dólar na inflação deve ser limitado por política de juros, diz BC
Postado em: 18/07/2013

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central avaliou nesta quinta-feira (18), por meio da ata de sua última reunião, quando os juros subiram 0,5 ponto percentual, para 8,5% ao ano, que a alta do dólar, verificada nos últimos trimestres, "enseja uma natural e esperada correção de preços relativos". Com isso, o impacto do dólar na inflação, ou seja, no aumento dos preços, deverá ser limitado pela política de juros adotada pelo governo.

"Importa destacar ainda que, para o Comitê, a citada depreciação cambial constitui fonte de pressão inflacionária em prazos mais curtos. No entanto, os efeitos secundários dela decorrentes, e que tenderiam a se materializar em prazos mais longos, podem e devem ser limitados pela adequada condução da política monetária [definição da taxa de juros]", acrescentou a autoridade monetária.

Economistas lembram que quase 25% dos produtos consumidos em nossa economia são importados, resultando em impacto inflacionário quando a moeda norte-americana se valoriza. Até meados do mês de maio, o dólar operava ao redor de R$ 2 no Brasil. Desde então, porém, registrou alta e, atualmente, tem oscilado entre R$ 2,25 e R$ 2,30.

Analistas do mercado avaliam que uma alta de R$ 0,10 no preço do dólar poderia ter um impacto de, no máximo, 0,2 ponto no IPCA deste ano. Deste modo, se o dólar estava em cerca de R$ 2 antes da sinalização do BC norte-americano e passou, atualmente, para um valor próximo de R$ 2,30, o impacto seria de até 0,6 ponto percentual no IPCA. Entretanto, o dólar teria de permanecer neste patamar.

Meta de inflação
Pelo sistema de metas que vigora no Brasil, o BC tem de calibrar os juros para atingir as metas pré-estabelecidas, tendo por base o IPCA. Ao subir os juros, o BC atua para controlar a inflação e, ao baixá-los, julga, teoricamente, que a inflação está compatível com a meta.

Para 2013 e 2014, a meta central de inflação é de 4,5%, com um intervalo de tolerância de dois pontos percentuais para cima ou para baixo. Deste modo, o IPCA pode ficar entre 2,5% e 6,5% sem que a meta seja formalmente descumprida. Na ata do Copom divulgada nesta quinta-feira, o BC reafirmou que o ciclo de alta de juros, que acontece desde abril, "contribuirá para colocar a inflação em declínio e assegurar que essa tendência persista no próximo ano".

Antes da alta recente do dólar, a expectativa dos economistas dos bancos era de que o aumento dos juros total previsto para este ano seria de um ponto percentual, passando de 7,25% para 8,25% ao ano no fim de 2013. Após a disparada do câmbio, os economistas passaram a prever um ciclo bem maior de alta dos juros: para 9,25% ao ano no fim de 2013.

 

Fonte: G1
Parceiros
SEJA UM PARCEIRO!
SEJA UM PARCEIRO!
COGNITOS
SEJA UM PARCEIRO!
EPIRA
SEJA UM PARCEIRO!
SEJA UM PARCEIRO!
SEJA UM PARCEIRO!
EPIRA
ANUNCIE AQUI
ANUNCIE AQUI
COM DOMINIO DA SAUDE LTDA - ME
EverNET - Sites e Sistemas Online
ANUNCIE AQUI
ANUNCIE AQUI
 
Home Sobre o site Contato Anuncie
Valid XHTML 1.0 Transitional
Atenção: O Guia Metalúrgico não se responsabiliza pelos anúncios constantes de seu site, que são de responsabilidade exclusiva de cada anunciante
Copyright © 2012 - Guia Metalúrgico, Todos os direitos reservados. Desenvolvido pela   |