Central do cliente
Esqueci minha senha
Home Contato
Home » Notícias
Novo marco propõe Conselho e Agência para mineração
Postado em: 20/06/2013
Novo marco propõe Conselho e Agência para mineração
Pelo novo código, a CFEM passará a incidir sobre a receita bruta de venda dos bens minerais

Código que será enviado ao Congresso Nacional também propõe mudanças na compensação financeira pela exploração de recursos minerais

São Paulo – A presidente Dilma Rousseff e o ministro das minas e energia, Edison Lobão, anunciaram nessa manhã o novo código da mineração. O código propõe mudanças na CFEM (Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais) e a criação de uma agência fiscalizadora.

Além da criação da Agência nacional de mineração, que seria um novo órgão regulador e fiscalizador para a mineração, o novo código propõe também a criação de um órgão de assessoramento para formular as políticas para o setor, o Conselho Nacional de Política Mineral. O DNPM (Departamento Nacional de Recursos Minerais) seria extinto. A Agência seria uma autarquia especial dotada de autonomia administrativa e financeira vinculada ao Ministério de Minas e Energia.

De acordo com a proposta, que será enviada para o Congresso Nacional sob a forma de projeto de lei, com urgência constitucional, o novo regime de contrato de concessão deverá ser precedido de licitação ou de chamada pública. O exercício da atividade minerária será feita por título único, da pesquisa até a lavra (as concessões de lavra outorgadas nos termos do decreto de 1967 continuarão vigentes pelo prazo de 40 anos, prorrogáveis por mais 20 anos sucessivamente.). Para tentar combater a especulação, haverá uma taxa por ocupação e um investimento mínimo. A passagem para o novo marco se dará sem prejuízo para os agentes atuais, segundo Lobão afirmou na cerimõnia de lançamento.

De acordo com o governo, a regra atual para a CFEM (Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais) dificulta tanto o recolhimento, por parte das empresas, quanto a fiscalização pelo DNPM (departamento nacional de produção mineral). Hoje, a Compensação Financeira é calculada sobre o valor do faturamento líquido resultante da venda do produto mineral e as alíquotas, dependendo do minério, variam entre 0,2% e 3%.

Pelo novo código, a CFEM passará a incidir sobre a receita bruta de venda dos bens minerais, livre de impostos. As alíquotas deverão variar entre o piso de 0,5% e o teto de 4%. As alíquotas específicas de cada bem mineral devem ser definidas por meio de regulamento. A regra para distribuição da CFEM segue a mesma: 65% para municípios onde ocorrer a lavra; 23% para o Distrito Federal e estados no caso de a produção ocorrer em seus territórios e 12% para a União Federal.

No final de seu discurso, Dilma abandonou o tema Mineração para comentar os protestos que ocorreram ontem no país. 

Veja como foi o anúncio.

 

Fonte: exame.abril.com.br/economia/noticias/novo-marco-muda-compensacao-financeira
Parceiros
SEJA UM PARCEIRO!
SEJA UM PARCEIRO!
SEJA UM PARCEIRO!
COGNITOS
SEJA UM PARCEIRO!
SEJA UM PARCEIRO!
EPIRA
SEJA UM PARCEIRO!
ANUNCIE AQUI
COGNITOS
EPIRA
ANUNCIE AQUI
ANUNCIE AQUI
COM DOMINIO DA SAUDE LTDA - ME
ANUNCIE AQUI
 
Home Sobre o site Contato Anuncie
Valid XHTML 1.0 Transitional
Atenção: O Guia Metalúrgico não se responsabiliza pelos anúncios constantes de seu site, que são de responsabilidade exclusiva de cada anunciante
Copyright © 2012 - Guia Metalúrgico, Todos os direitos reservados. Desenvolvido pela   |