Central do cliente
Esqueci minha senha
Home Contato
Home » Notícias
Nossos produtos no fundo do buraco
Postado em: 29/05/2013
Nossos produtos no fundo do buraco
Extração de minério de ferro em Minas Gerais. O Brasil vende a mesma quantidade, mas fatura menos (Foto: João Prudente/Pulsar)

O Brasil se dá bem há anos, ao vender produtos básicos a preços altos. Mas o mercado está mudando. Pior para nós

Atenção, senhores passageiros: ainda estamos atravessando turbulência na economia global e mais um de nossos motores começa a falhar. Não entrem em pânico – ainda. Desde 2011, o Brasil vem perdendo, um a um, os vários propulsores que haviam turbinado o crescimento e arenda do cidadão nos anos anteriores. O nível de emprego já bateu no teto. O consumo está acelerado ao máximo. O investimento produtivo engasga. Sobrava o motor do preço em alta das matérias-primas. Ao longo da última década, o mundo se acostumou a pagar cada vez mais caro por produtos básicos que o Brasil vende com competência. Enquanto durou, foi bom para nós. Agora, esses preços mudaram de rumo. O que aconteceu?

Foi preciso um cenário bem específico para que os preços das matérias-primas subissem por anos a fio, a partir do fim dos anos 1990. Os Estados Unidos e a Europa cresciam razoavelmente. A economia chinesa se expandia de forma espetacular, estimulada principalmente por grandes obras e pela indústria, e se tornava a maior consumidora de matérias-primas do planeta. Não havia sinal de como elevar a produção global de petróleo, minério de ferro ou grãos – a não ser com o pré-sal (brasileiro), a expansão rápida da área plantada (só possível no Brasil) e o aumento da produtividade das lavouras (que ocorreria, principalmente, no Brasil). Por fim, especuladores passaram a apostar no contínuo encarecimento desses produtos. Essa conjunção trabalhou a nosso favor e alimentou a tese do “superciclo” de matérias-primas, uma fase de valorização mais prolongada do que a normalmente observada em imóveis e ações.

O maior defensor da tese é o investidor americano Jim Rogers. Ele acredita que o superciclo começou em 1998, e ainda está em andamento. Em suas palestras e livros, Rogers menciona três superciclos anteriores ao longo do século XX, com duração entre 14 e 22 anos. Mas um número crescente de profissionais do mercado vem defendendo que o ciclo de alta, fosse ou não “super”, chegou ao fim. O Banco Mundial calculou que o sinal dos preços virou no ano passado e projeta que haverá novas quedas de 2013 a 2015. “Se você quiser chamar a fase de alta de superciclo, tudo bem – mas ela terminou”, diz Ruchir Sharma, chefe de investimentos em países emergentes do banco Morgan Stanley, autor do livro Os rumos da prosperidade, sobre o que considera a próxima onda de países emergentes.

Isso ocorreu porque saíram do lugar as peças que sustentavam os preços lá em cima. Após a crise global de 2008, os Estados Unidos crescem menos, e a Europa quase nada. A China desacelerou para menos de 8% ao ano pela primeira vez desde 2000, com ameaça de esfriar ainda mais. Na nova fase de desenvolvimento, os chineses precisarão de menores quantidades de minério de ferro e mais eletrodomésticos, serviços e itens sofisticados (os pontos fracos na pauta de exportações do Brasil). Martelando mais ainda os preços, surgiu uma nova fonte de combustível – o gás de xisto – e a produção agrícola global continua aumentando. “O investimento na produção de energia, minério e alimentos cresceu muito nos últimos cinco anos”, diz Sharma. Com mais produção e menos fregueses, os preços daquilo que vendemos caíram muito. Entre sete produtos básicos no topo da pauta de exportação do Brasil, cinco se desvalorizaram: minério de ferro, café, açúcar, carne e a dupla papel e celulose (leia o quadro). A soja continua em alta, mas não consegue, sozinha, compensar o enfraquecimento dos outros itens. Para piorar, a nova dinâmica planetária atrapalha as empresas brasileiras que vendem produtos mais elaborados. Tornou-se mais agressiva a disputa por mercados para aviões, calçados, aço e produtos químicos, outros dos produtos que exportamos.

O resultado é visível no saldo comercial do Brasil com o resto do mundo. Sem o impulso das mercadorias básicas, as exportações não conseguem mais acompanhar a alta das importações. O país teve um saldo negativo de US$ 6,2 bilhões entre janeiro e abril, o maior deficit desde 2001. Tornou-se crível a projeção de que o país voltará, em 2013, a fechar o ano com saldo negativo. “Os exportadores já sofreram nos últimos anos por causa do real valorizado, que encarece nossa produção”, diz o economista Roberto Giannetti, diretor de Comércio Exterior da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). “Agora, com as matérias-primas em baixa, podemos voltar a ter deficit comercial, pela primeira vez desde 2000.”

Em princípio, não haveria aí nenhum problema. Todo país que participa do comércio global pode, em certos períodos, comprar mais do que vende. Supõe-se também que as importações tragam para o país os produtos mais baratos e as tecnologias mais recentes, e isso ajuda a conter preços e a aumentar a produtividade. Mas o fluxo de dólares que sai do país precisa ser compensado de outras formas. Esse deficit no total de transações do Brasil com o mundo se aprofundou de 1,5% do PIB, em 2009, para quase 3%, nos últimos 12 meses. Se o país se mostrar atraente para os negócios, o que falta poderá ser coberto com uma combinação feliz de investimento produtivo vindo do exterior e exportações diversificadas, de produtos básicos, produtos industrializados e serviços. Se o país não empolgar os investidores, terá de se resolver com empréstimos. 

 

Fonte: revistaepoca.globo.com//ideias/noticia/2013/05/nossos-produtos-no-fundo-do-buraco.html
GUIA 6 ANOS
Parceiros
SEJA UM PARCEIRO!
SEJA UM PARCEIRO!
SEJA UM PARCEIRO!
SEJA UM PARCEIRO!
EPIRA
SEJA UM PARCEIRO!
SEJA UM PARCEIRO!
COGNITOS
ANUNCIE AQUI
EPIRA
ANUNCIE AQUI
ANUNCIE AQUI
ANUNCIE AQUI
COGNITOS
ANUNCIE AQUI
 
Home Sobre o site Contato Anuncie
Valid XHTML 1.0 Transitional
Atenção: O Guia Metalúrgico não se responsabiliza pelos anúncios constantes de seu site, que são de responsabilidade exclusiva de cada anunciante
Copyright © 2012 - Guia Metalúrgico, Todos os direitos reservados. Desenvolvido pela   |